populares

Conte uma lembrança da sua infância. Do dia de feira, da missa de domingo, do fim de tarde na pracinha. Nas ruas, o comércio do couro, da palha, das frutas, do bordado, das raízes, do coco, do cuscuz, do xerém. O forró na caixa de som do ambulante segue o ritmo do sino da igreja. Entra então o cheiro da pipoca, do milho verde e do mormaço da chuva que ainda não caiu. Na calçada, a vida acontece.

Populares, fina arte nordestina